Os 20 melhores filmes do ano 1980

Listas de melhores da década costumam destacar filmes mais conhecidos. Quando observamos o cinema ano a ano, resurgem obras importantes nem sempre lembradas. Abaixo, um pouco de 1980, mesmo ano de arrasa-quarteirões como O Império Contra-Ataca, da franquia Star Wars, e fitas curiosas como o Popeye de Robert Altman.

20) Salve-se Quem Puder (a Vida), de Jean-Luc Godard

À época, esse filme foi encarado como o retorno de Godard ao cinema comercial, mais próximo de uma narrativa palatável. Em cena, acompanhamos três personagens que têm seus caminhos cruzados.

19) Morte ao Vivo, de Bertrand Tavernier

O tema é atual: em futuro incerto, um programa de televisão insere uma câmera na cabeça de um homem, incumbido de seguir uma mulher. O elenco conta com Romy Schneider, Harvey Keitel e Max von Sydow.

18) Atlantic City, de Louis Malle

Malle leva-nos à relação inesperada entre Lou Pascal (Burt Lancaster) e Sally (Susan Sarandon) em uma Atlantic City com contornos decadentes, que almeja ser Las Vegas. Leão de Ouro em Veneza.

17) Contratempo, de Nicolas Roeg

O diretor gosta de artistas do mundo musical. Trabalha aqui com um convincente Art Garfunkel, em uma história de amor destrutiva, nem sempre fácil de acompanhar, ao lado de Theresa Russell.

16) O Último Metrô, de François Truffaut

Uma homenagem ao cinema clássico francês, com pitadas das comédias de Renoir e Guitry. Durante a Segunda Guerra Mundial, mulher esconde o marido judeu nos porões de um teatro.

15) Melvin e Howard, de Jonathan Demme

Grande comédia que parte da carona acidental de um homem simples, no deserto, a ninguém menos que o magnata Howard Hughes. A partir daí, a vida do primeiro mudará para sempre.

14) Loulou, de Maurice Pialat

História de amor louco, porém real, à maneira crua e intensa do mestre Pialat. O casal central é formado pelas estrelas Isabelle Huppert e Gérard Depardieu, entre idas, vindas e muitos tropeços.

13) Parceiros da Noite, de William Friedkin

A polêmica provocada na época do lançamento, quando foi atacado pela comunidade gay, ajudou a sepultar esse grande filme sobre um policial (Al Pacino) que se infiltra em festas e becos para encontrar um serial killer.

12) Da Vida das Marionetes, de Ingmar Bergman

Um Bergman nem sempre lembrado, à altura de suas melhoras obras. Filme psicanalítico que envolve análise e assassinato. Após sonhar que mata a esposa, executiva acaba matando uma prostituta.

11) O Iluminado, de Stanley Kubrick

O diretor deixa Jack Nicholson à vontade para exagerar nesse filme sobre isolamento, fantasmas e possíveis delírios. No famoso Hotel Overlook, homem enlouquece e passa a perseguir a mulher e o filho.

10) A Viagem, de Michel Deville

Duas mulheres trocam confidências: falam sobre o passado e sobre coisas que talvez não tenham acontecido. Saem em viagem e se aprofundam em si mesmas. Com Dominique Sanda e Geraldine Chaplin.

9) Gigolô Americano, de Paul Schrader

O belo e desejado gigolô de Richard Gere vê-se em uma trama de suspense, acusado de um crime que não cometeu. Os ambientes quadrados e frios contribuem à atmosfera de pesadelo.

8) Kagemusha, a Sombra de um Samurai, de Akira Kurosawa

Homem simples assume o papel de um imperador. O problema é que, apesar de idêntico, o vassalo carrega humanismo fora do normal para um homem da guerra. Aos seus olhos, o horror.

7) O Homem Elefante, de David Lynch

Os toques surrealistas não escondem um Lynch mais dramático, voltado aqui à história triste de John Merrick, que nasceu deformado, destinado a ser um artista de circo não fosse o empenho de outras pessoas.

6) Caçada na Noite, de John Mackenzie

Filme britânico nem sempre lembrado sobre a queda de um chefão do crime. Em cena, suas explosões de fúria com os subalternos, com os negócios que dão errado, com as mortes que o cercam.

5) O Portal do Paraíso, de Michael Cimino

Épico que representou a derrocada da Nova Hollywood: depois desse filme, mestres como Altman e Scorsese viram-se dobrados aos estúdios, que voltaram a dar as cartas e não aceitariam novos “caprichos” como este.

4) Berlin Alexanderplatz, de Rainer Werner Fassbinder

Longa série também levada ao cinema, trabalho monumental de Fassbinder a partir do livro de Alfred Döblin. No nascedouro do nazismo, homem ressentido é tragado às forças do mal e visita o próprio inferno.

3) Meu Tio da América, de Alain Resnais

Como explicar esse filme mágico? Parte comédia, parte documentário, analisa a vida de três pessoas diferentes e como elas podem ser enquadradas em estudos científicos sobre o comportamento humano.

2) Agonia e Glória, de Samuel Fuller

A Segundo Guerra aos olhos de Fuller. Entre tantas passagens marcantes, destaca-se o conflito no interior do hospício, quando um dos internos saca a arma e dá vazão ao seu desejo de matar.

1) Touro Indomável, de Martin Scorsese

A trajetória do ciumento e explosivo Jake LaMotta, entre glórias e derrotas no ringue e a vida com a bela mulher e o irmão. Aula de montagem, com atuação assombrosa e premiada de Robert De Niro.

Veja também:
A Ponte do Rio Kwai, segundo François Truffaut

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s