Último Tango em Paris

Menina safada

Como Jeanne, Maria Schneider, que nunca havia atuado antes, traz um perfume das heroínas dos filmes de Jean Renoir e das modelos do pai dele. Com suas pernas longas e rosto de bebê, ela capta toda a história da paixão no cinema. O frescor de Maria Schneider – a inocência de Jeanne ingenuamente corrompida – confere um brilho especial ao filme. Quando levanta a barra de seu vestido de noiva até a cintura, sorrindo de maneira coquete ao expor seus pelos pubianos, ela se integra à grande tradição cinematográfica das meninas safadas e irresistíveis. Maria tem um rosto de cinema – aberto para a câmera, despreocupado como se a lente fosse uma planta ou um gatinho.

Pauline Kael, em uma crítica sobre Último Tango em Paris, após o lançamento do filme de Bernardo Bertolucci no Festival de Nova York, em outubro de 1972. Texto publicado na Revista Piauí, na ocasião da morte de Maria Schneider, com a tradução de Paula Scarpin (março de 2011; leia aqui o texto completo).

o último tango

Veja também:
Bastidores: Profissão: Repórter

Concurso de dança (em cinco filmes)

Alguns concursos de dança são trampolins para o encontro das personagens, ou apenas para comprovarem a química e o amor na tela. Abaixo estão alguns filmes divertidos e marcantes, nos quais a disputa não é o mais importante. Melhor é a dança.

A Felicidade Não se Compra, de Frank Capra

Difícil esquecer o momento em que as personagens de James Stewart e Donna Reed caem na água em plena sequência da dança. É quando começam a se unir, pouco antes de seguirem noite adentro, cantando, quando o cupido já havia atingido ambos.

a felicidade não se compra1

Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci

O casal precisa quebrar o protocolo: no meio da pista de dança, Brando solta-se, escandaliza, e a sequência dá vez à correria do casal pelas ruas de Paris. O filme de Bertolucci foi um marco na época, e ainda não houve nada igual.

último tango em

Os Embalos de Sábado à Noite, de John Badham

O rapaz ao centro – que idolatra Al Pacino – esquenta as noites de Nova York, em casas noturnas nas quais dança sozinho ou acompanhado, por diversão ou competição. John Travolta tem um belo momento, embalado pelas canções do Bee Gees.

embalos de sábado à noite

Pulp Fiction: Tempo de Violência, de Quentin Tarantino

Travolta de novo. Seu retorno ao grande cinema dá-se pela dança – também pelo crime. No filme de Tarantino, ele sacode o corpo ao som do twist, ao lado de Uma Thurman. Estão em uma lanchonete com velhos traços da América e sósias de Marilyn Monroe.

pulp fiction

O Lado Bom da Vida, de David O. Russell

O casal deslocado fica contente com as notas pouco atrativas durante a parte final do filme de O. Russell. Tudo termina em diversão, com Jennifer Lawrence e Bradley Cooper esbanjando beleza. Longe de ser grande, tem seus momentos inspirados.

o lado bom da vida

A fotografia de Vittorio Storaro

Um dos maiores diretores de fotografia ainda em atividade no mundo. Colaborador de Bertolucci, Coppola, Saura, Montaldo, Warren Beatty, entre outros. Mestre da luz.

O Conformista

o conformista

Último Tango em Paris

último tango em paris

1900

1900

Apocalypse Now

apocalypse now

La Luna

la luna

Reds

reds

O Fundo do Coração

fundo do coração

O Último Imperador

o último imperador

Dick Tracy

dick tracy