Ex-Machina

Oito ficções científicas sobre jornadas ao desconhecido

O contato do homem com o desconhecido – o que pode ser definido como uma força alienígena – é tema recorrente em filmes de ficção científica, como se confere na lista abaixo. Em muitos casos, o que se vê é o descortinar de si próprio, mais que o do outro, o alienígena que tem o espaço invadido e nem sempre é vilão.

Planeta Proibido, de Fred M. Wilcox

Sob a carcaça do típico filme de ficção científica dos anos 50 há questões inquietantes: no espaço, em um planeta distante, homens tentam criar uma sociedade capaz de realizar suas vontades apenas com o poder da mente, envolvendo paz e justiça. Mas, como se sabe, as realizações nem sempre acompanham os desejos.

2001: Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick

Três momentos, três histórias, um salto na evolução que liga o fim ao início. Há muitas maneiras de descrever essa obra-prima sobre o homem rumo ao contato com uma força superior. Em viagem final, dois astronautas confrontam um computador fora de controle, em um duelo pelo controle da própria nave.

Contatos Imediatos do Terceiro Grau, de Steven Spielberg

O homem em questão, vivido por Richard Dreyfuss, fica fascinado pela presença alienígena que cruza os céus, pelas luzes que sobrevoam seu veículo a certa altura. Sai atrás dessa força na companhia de uma mulher cujo filho foi abduzido. Está disposto a deixar tudo para trás para embarcar na grande nave e ir embora.

Stalker, de Andrei Tarkovski

Três homens – um stalker, um cientista e um escritor – entram em uma região fechada pelo governo, chamada de Zona. Nesse espaço – no qual o verde contrasta a imagem sépia do que fica de fora – há outro espaço, o quarto, no qual os desejos humanos podem ser realizados. À beira desse espaço, os homens veem-se paralisados.

O Segredo do Abismo, de James Cameron

Antes de “conquistar o mundo” com Titanic e Avatar, e pouco depois do primeiro Exterminador do Futuro e do segundo filme da série Alien, Cameron assinou esse filme sobre um grupo de mergulhadores que descobre uma força alienígena no fundo do oceano. Há espaço ainda para a intriga entre humanos e uma história de amor.

Contato, de Robert Zemeckis

Uma ficção científica em que a possibilidade de se encontrar uma crença sobrepõe o ceticismo. E uma frase sempre lembrada dá o tom do filme: “seria um desperdício de espaço se não houvesse vida fora da Terra”. Os humanos recebem uma mensagem alienígena. A cientista vivida por Jodie Foster tenta respondê-la.

A Chegada, de Denis Villeneuve

Dessa vez é uma linguista quem deve se aproximar dos alienígenas. Certo dia, diferentes naves com formato de concha surgem no planeta. Os americanos recorrem ao conhecimento da personagem de Amy Adams, cujo avanço ao interior da nave, cada vez maior, faz com que descubra a si mesma, como também seu futuro.

Aniquilação, de Alex Garland

A bióloga interpretada por Natalie Portman vai a uma região sob efeitos alienígenas, afastada, chamada de Brilho. Do local, seu marido militar retornou perturbado. O que ela descobre é que, em contato com o ambiente, seres vivos sofrem mutações e a vida obedece novas regras. Do mesmo diretor de Ex_Machina: Instinto Artificial.

Veja também:
Dez filmes que geram mal-estar (nos últimos dez anos)

Cinco bons filmes recentes sobre clausura

Uma leva recente de filmes sobre personagens enclausuradas gera desconforto e diferentes questionamentos. As obras da lista abaixo possuem seres estranhos, diferentes tipos, do médico conceituado ao paranóico linha dura. As vítimas, por sua vez, precisam se adaptar ao cárcere para sobreviver e, talvez, escapar. À lista.

Michael, de Markus Schleinzer

Garoto é aprisionado por um homem (Michael Fuith) que procura agir como seu responsável. Não raro o filme de Markus Schleinzer causa mal-estar, com sequências frias, algumas a provocar revolta. O algoz tem aqui sua rotina revelada, com as relações de trabalho e o retorno constante ao quarto onde está o menino. Antes de dirigir esse longa-metragem, Schleinzer foi diretor de elenco de Michael Haneke, famoso por filmes como Violência Gratuita.

michael

A Pele que Habito, de Pedro Almodóvar

O diretor espanhol inspira-se em obras antigas de horror, sobretudo em Os Olhos Sem Rosto, de Georges Franju. Antonio Banderas é um conceituado cirurgião plástico que tem a filha abusada por um rapaz. Em busca de vingança, ele aprisiona o jovem e passa a fazer experiências que incluem mudança de pele e sexo. O terreno é típico do diretor: incluir alguns exageros, cores explosivas e momentos delirantes. A bela Elena Anaya divide a cena com Banderas.

a pele que habito

Ex-Machina: Instinto Artificial, de Alex Garland

A grande casa e a natureza ao redor revelam um futuro sedutor. É para esse local de sonhos que o jovem Caleb (Domhnall Gleeson) é enviado, após passar em um concurso e ser convidado a dividir alguns dias com o gênio e dono de sua empresa, Nathan (Oscar Isaac). À relação entre eles é adicionada a figura feminina, a androide de nome sugestivo, Ava (Alicia Vikander). Essa inteligência artificial deseja ser livre, e será como todos ao redor: uma estrategista.

ex-machina

O Quarto de Jack, de Lenny Abrahamson

O filme foi sensação na temporada do Oscar 2016 e saiu da premiação com a estatueta de melhor atriz para Brie Larson. Após viver aprisionada por seis anos em um pequeno quarto, Ma (Larson) cria planos para o pequeno filho escapar do local. Nascido ali, Jack (Jacob Tremblay) não conhece outro ambiente. Transcendê-lo significa imaginar. Ao passar ao outro lado, ele descobrirá as dificuldades de viver em universo concreto, não meramente imaginado.

o quarto de jack1

Rua Cloverfield, 10, de Dan Trachtenberg

Até certo ponto, o espectador não sabe se a clausura é fruto de paranoia ou se há algo perigoso – uma guerra química, alienígenas, uma doença mortal – do outro lado das paredes do abrigo. O filme de Trachtenberg repousa sob esse mistério, enquanto se acompanha cada novo lance pelo ponto de vista da protagonista, vivida pela bela Mary Elizabeth Winstead. Quem a mantém aprisionada é o estranho Howard (John Goodman), com suas regras e passado incerto.

rua cloverfield 10

Veja também:
Ex-Machina: Instinto Artificial, de Alex Garland
Cinco grandes filmes de 2015 dirigidos por mulheres

As melhores atuações de 2015

O ano deixa grandes atuações em filmes de estilos diversos. É difícil fazer comparações, sobretudo quando o trabalho desses homens e mulheres leva, não raro, a resultados distintos. Difícil também não se deixar levar por gostos pessoais. Escolher cinco atuações em cada categoria não é tarefa simples. Alguns bons trabalhos sempre ficam de fora. Abaixo, as melhores atuações do ano segundo o autor deste blog. Vale lembrar uma regra: todos os filmes da lista foram lançados no Brasil em 2015.

Melhor atriz

Apesar de ter ganhado o Oscar pelo drama Para Sempre Alice, Julianne Moore é lembrada pela obra de Cronenberg. Tem destaque também Jessica Chastain (que volta na categoria de coadjuvante) e Marion Cotillard. A primeira, intensa, como a Julie do texto de Strindberg, a segunda em busca de seu emprego no drama dos irmãos Dardenne. Para completar, as incríveis e minimalistas atuações de Gosheva e Elkabetz.

Jessica Chastain em Miss Julie

miss julie

Julianne Moore em Mapas para as Estrelas

mapas para as estrelas

Margita Gosheva em A Lição

a lição

Marion Cotillard em Dois Dias, Uma Noite

dois dias uma noite

Ronit Elkabetz em O Julgamento de Viviane Amsalem

o julgamento de viviane amsalem

Outros destaques: Charlize Theron em Mad Max: Estrada da Fúria; Emily Blunt em Sicario: Terra de Ninguém; Julianne Moore em Para Sempre Alice; Juliette Binoche em Acima das Nuvens; Laia Costa em Victoria; Lea van Acken em 14 Estações de Maria; Meryl Streep em Ricki and the Flash: De Volta Para Casa; Olivia Corsini em Olmo e a Gaivota; Regina Casé em Que Horas Ela Volta?.

Melhor atriz coadjuvante

Como demonstra a extraordinária Luísa Cruz, atores nascem para determinados papéis. É também o caso de Jessica Chastain, que nunca chega a ser a “dama fatal” no filme de J.C. Chandor, ou a forte Camila Márdila, a menina que muda a vida de sua mãe, doméstica, e altera a rotina da casa dos patrões. E como não se render à alegria de Greta Gerwig? Ou aos descobrimentos da atraente androide de Alicia Vikander?

Alicia Vikander em Ex-Machina: Instinto Artificial

Ex-Machina1

Camila Márdila em Que Horas Ela Volta?

que horas ela volta

Greta Gerwig em Mistress America

mistress america

Jessica Chastain em O Ano Mais Violento

o ano mais violento

Luísa Cruz em As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado

as mil e uma noites desolado

Outros destaques: Andrea Beltrão em Chatô, o Rei do Brasil; Fernanda Rocha em O Último Cine Drive-in; Kristen Stewart em Acima das Nuvens; Samantha Morton em Miss Julie.

Melhor ator

Alguns filmes têm mais de uma interpretação poderosa. É o caso de Foxcatcher, que traz Channing Tatum em seu melhor papel até o momento. A debochar dos brasileiros há o Chatô de Marco Ricca, à vontade, e a confrontar público, o assassino de Canet. Também ganham espaço o estranho detetive de Phoenix, tão preso ao seu próprio labirinto quanto o ator em busca da volta por cima vivido por Michael Keaton.

Channing Tatum em Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

foxcatcher2

Guillaume Canet em Na Próxima, Acerto no Coração

na próxima acerto o coração1

Joaquin Phoenix em Vício Inerente

vício inerente1

Marco Ricca em Chatô, O Rei do Brasil

chatô o rei do brasil

Michael Keaton em Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

birdman

Outros destaques: Benedict Cumberbatch em O Jogo da Imitação; Eddie Redmayne em A Teoria de Tudo; John Lithgow em O Amor é Estranho; Rod Paradot em De Cabeça Erguida; Steve Carell em Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo; Willem Dafoe em Pasolini.

Melhor ator coadjuvante

Enquanto a sociedade americana tem seus motivos para odiar a personagem de Mark Rylance, o espectador rende-se: ele mostra humanidade sem grande esforço. Em outro terreno está o facínora de Idris Elba, ou o J.K. Simmons em busca de um novo Charlie Parker. Em Sicário, Del Toro rouba a cena a cada aparição na tela. O mesmo se vê com o sempre convincente Lindon na recente e bela adaptação da obra de Mirbeau.

Benicio Del Toro em Sicario: Terra de Ninguém

sicario2

Idris Elba em Beasts of No Nation

beasts of no nation

J.K. Simmons em Whiplash: Em Busca da Perfeição

whiplash2

Mark Rylance em Ponte dos Espiões

ponte dos espiões

Vincent Lindon em O Diário de Uma Camareira

diário de uma camareira2

Outros destaques: Joel Edgerton em Aliança do Crime; John Turturro em Mia Madre; Mark Ruffalo em Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo; Othon Bastos em O Último Cine Drive-in; Reda Kateb em Hipócrates.

Veja também:
As melhores atuações de 2014
Os dez piores filmes de 2015

Ex-Machina: Instinto Artificial, de Alex Garland

O jogo de espelhos é claro em boa parte de Ex-Machina: Instinto Artificial, escrito e dirigido por Alex Garland. Nas conversas do jovem programador Caleb (Domhnall Gleeson) com a androide Ava (Alicia Vikander), há sempre o vidro a separá-los.

Ora a câmera está com o jovem de carne e osso, ora do outro lado, com a suposta máquina dotada de sentimentos, a moça de jeito meigo. A impressão é que se refletem, em um jogo intenso de plano e contraplano, de curiosa dominação.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Ex-Machina1

Em vários momentos, Caleb percorrerá a casa isolada, sem janelas, futurista, como um jovem curioso, depois revoltado. Poucos dias ali são suficientes para transformá-lo: primeiro ele crê que nasceu para alguém como Ava; descobre, depois, que é Ava que nasceu para ele.

Não vale revelar muito, mas o fato de o criador dela ser o dono de um gigante site de busca dá a ideia geral desse jogo de espelhos proposto pelo filme: em um mundo em que esses sites vendem a ilusão de infinitas possibilidades, na verdade são seus usuários que terminam definidos por eles, reduzidos às suas buscas.

Com Caleb não será diferente: ele é tão moldado àquela experiência quanto Ava. A diferença é que foi maturado com o tempo, dono de uma história de vida nada artificial: a perda a família, a afinidade com as máquinas, a insegurança constante.

Não é típico rapaz correto que parece. Pode ser mal, ser imprevisível e descontrolado. Foi parar ali após vencer um concurso interno de programadores da empresa em que trabalha. O prêmio é passar alguns dias com o dono da companhia.

O outro homem é seu oposto: tem barba, é atlético, gosta de falar em linguagem direta e, em certa medida, recusa frases filosóficas sobre a existência. Cobra do jovem, tão cedo, a confidencialidade que o ambiente exige, para que o convidado possa interagir com Ava, para que seja possível fazer História.

Ironicamente, essa é uma história de confinamento. Além de remeter ao jogo de espelhos, a casa do patrão, Nathan (Oscar Isaac), remete ao aquário no qual todos estão presos: acreditam saber tudo sobre o outro e nada sabem.

Ex-Machina3

Por isso, o espelho reflete e refrata. O filme foge dos típicos estereótipos, já que a máquina não é quem parece, nem o homem. A máquina de traços humanos usará a seu favor o que o homem tem de mais sagrado: o poder de se adaptar.

Sobreviver ao aquário faz com que Ava interprete. Não por acaso, o título do filme, a partir do termo “Deus ex machina”, também tem relação com o teatro, quando um deus desce ao palco para unir as pontas soltas e conferir desfecho à história.

Cabe a Ava essa condensação, consciência de que algumas pessoas devem ser sacrificadas para que sua existência não se limite apenas àquela caixa metálica à qual foi lançada, a necessidade de passar ao outro lado e escapar desse palco.

Mais: a ideia de que ser humano é entender o jogo das relações, é seduzir, é parecer desejável, é trocar de pele, ou de máscara, com a intenção de sobreviver ao estranho mundo selvagem do lado de fora, que não pede outra coisa senão a adaptação.

O espelho volta ao fim, quando a multidão distante e sem rosto aparece refletida no vidro, enquanto Ava observa o novo espaço. A essa altura, a ficção científica toca a realidade, toca o tempo próximo, quando é possível especular: mais do que monstros para destruir, as criações querem ser parte do meio, viver como qualquer um.

(Ex Machina, Alex Garland, 2014)

Nota: ★★★☆☆

Veja também:
Dez grandes filmes com universos delirantes