A Mulher Faz o Homem

50 grandes interpretações centrais que perderam o Oscar

Para cada atuação oscarizada existem quatro perdedoras. A lista abaixo não pretende apontar injustiças, mas alguns grandes momentos, de grandes atores, que não foram premiados pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Outros concorrentes acabariam se impondo – seja pela qualidade, seja pelo momento.

Alguns atores ganhariam depois, como nos casos emblemáticos de James Stewart e Joan Fontaine, premiados logo no ano seguinte por atuações inferiores. Alguns já haviam ganhado antes – caso de Bette Davis, duas vezes. Alguns nunca ganhariam a estatueta, como Richard Burton (indicado sete vezes) e Liv Ullmann (indicada duas vezes).

A história do Oscar é cheia de momentos embaraçosos. É também uma corrida que, bem definiu Woody Allen, não faz sentido: segundo o cômico americano, a arte não é um esporte, a ser disputado ponto a ponto em uma arena. Seu resultado está ligado à subjetividade da banca avaliadora.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Paul Muni em O Fugitivo

o-fugitivo

Charles Laughton em O Grande Motim

o grande motim

Wendy Hiller em Pigmalião

pigmaliao

James Stewart em A Mulher Faz o Homem

a mulher faz o homem

Greta Garbo em Ninotchka

ninotchka

Clark Gable em E o Vento Levou

e-o-vento-levou

Henry Fonda em Vinhas da Ira

as vinhas da ira

Charles Chaplin em O Grande Ditador

o grande ditador

Joan Fontaine em Rebecca, a Mulher Inesquecível

rebecca-a-mulher-inesquecivel

Orson Welles em Cidadão Kane

cidadao-kane

Bette Davis em Pérfida

perfida

Humphrey Bogart em Casablanca

casablanca

Barbara Stanwyck em Pacto de Sangue

pacto-de-sangue

Gene Tierney em Amar Foi Minha Ruína

amar-foi-minha-ruina

Celia Johnson em Desencanto

desencanto

Gloria Swanson em Crepúsculo dos Deuses

crepusculo-dos-deuses

Bette Davis em A Malvada

a-malvada

Marlon Brando em Uma Rua Chamada Pecado

uma-rua-chamada-pecado2

Kirk Douglas em Assim Estava Escrito

assim-estava-escrito

Frank Sinatra em O Homem do Braço de Ouro

o-homem-do-braco-de-ouro

Kirk Douglas em Sede de Viver

sede-de-viver

James Stewart em Anatomia de um Crime

anatomia-de-um-crime

Paul Newman em Desafio à Corrupção

desafio-a-corrupcao

Katharine Hepburn em Longa Jornada Noite Adentro

longa-jornada-noite-adentro

Peter Sellers em Doutor Fantástico

doutor-fantastico

Anthony Quinn em Zorba, o Grego

zorba-o-grego

Rod Steiger em O Homem do Prego

o-homem-do-prego

Richard Burton em Quem Tem Medo de Virginia Woolf?

quem-tem-medo-de-virgia-woolf

Peter O’Toole em O Leão no Inverno

o-leao-no-inverno

Peter Finch em Domingo Maldito

domingo-maldito

Dustin Hoffman em Lenny

lenny

Gena Rowlands em Uma Mulher Sob Influência

uma-mulher-sob-influencia

Al Pacino em Um Dia de Cão

um-dia-de-cao

Robert De Niro em Taxi Driver

taxi driver2

Liv Ullmann em Face a Face

face-a-face

Marcello Mastroianni em Um Dia Muito Especial

um-dia-muito-especial

Peter Sellers em Muito Além do Jardim

muito além do jardim

John Hurt em O Homem Elefante

o homem elefante

Burt Lancaster em Atlantic City

atlantic city

Tom Courtenay em O Fiel Camareiro

o fiel camareiro

Anjelica Huston em Os Imorais

os-imorais

Ian McKellen em Deuses e Monstros

deuses-e-monstros

Javier Bardem em Antes do Anoitecer

antes-do-anoitecer

Ellen Burstyn em Réquiem para um Sonho

requiem-para-um-sonho

Imelda Staunton em O Segredo de Vera Drake

o-segredo-de-vera-drake

Felicity Huffman em Transamérica

transamerica

Joaquin Phoenix em O Mestre

o mestre

Emmanuelle Riva em Amor

Amour1

Leonardo DiCaprio em O Lobo de Wall Street

o lobo de wall street

Marion Cotillard em Dois Dias, Uma Noite

dois dias uma noite1

Veja também:
16 grandes duplas indicadas ao Oscar na mesma categoria

Oito grandes filmes sobre os bastidores da política

De um lado a política dos palanques, da propaganda escancarada; de outro, os truques e conchavos de bastidores, ambiente em que homens e mulheres revelam-se ao público. Os oito filmes abaixo se embrenham nesses bastidores para fazer vazar a podridão da política partidária, feita de interesses e da busca desenfreada pelo poder.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

A Mulher Faz o Homem, de Frank Capra

A América idealista de Capra era feita de homens como Jefferson Smith (James Stewart), herói incorruptível que se torna senador e, em Washington, confronta o interesse dos poderosos. A atuação de Stewart é comovente, resistindo por horas no centro da arena política, no Senado, e tentando provar que ainda existem homens honestos.

a mulher faz o homem

Cidadão Kane, de Orson Welles

O magnata da imprensa Charles Foster Kane (Welles) resolve se envolver com política. O homem que cria guerras em seus próprios jornais vê-se em meio a um caso de chantagem quando, às vésperas da eleição, seu principal concorrente ameaça revelar a existência de sua amante. Ele decide manter a candidatura e paga um preço alto.

cidadao-kane

A Grande Ilusão, de Robert Rossen

Caipira é convertido em líder político, ganha visibilidade e se torna governador. Visto pelo olhar de um jornalista, o grande filme de Rossen conta a trajetória de altos e baixos de Willie Stark (Broderick Crawford). Aparentemente honesto, no início, Stark passa a usar táticas escusas para seguir no poder e, ora ou outra, corre aos braços do povo.

a grande ilusão

Júlio César, de Joseph L. Mankiewicz

Produção cheia de astros e adaptada da obra de Shakespeare. Mostra como Júlio César (Louis Calhern) foi traído por Brutus (James Mason), acompanhado por um cínico Cassius (John Gielgud), depois vingado pelo leal Marco Antonio (Marlon Brando). Os discursos de Mason e Brando – dois dos melhores atores de todos os tempos – são os pontos altos.

julio-cesar

Tempestade Sobre Washington, de Otto Preminger

O presidente dos Estados Unidos tem problemas quando indica seu novo secretário de Estado (Henry Fonda), acusado de inclinações comunistas em plena Guerra Fria. Entre tantas tramas de bastidores, a situação precisa sufocar o outro lado e, a certa altura, revive o passado homossexual de um senador, interpretado por Don Murray.

tempestade-sobre-washington

O Caso Mattei, de Francesco Rosi

A queda do avião que matou o engenheiro Enrico Mattei (Gian Maria Volontè) foi considerada, em 1962, um acidente. Alguns discordam: teria sido um atentado. O grande diretor Rosi concorda com a segunda versão. Sua obra acompanha o engenheiro sem nunca se aproximar demais, em tom documental. Poderoso filme político dos anos 70.

o-caso-mattei

O Exercício do Poder, de Pierre Schoeller

O ótimo Olivier Gourmet interpreta o ministro dos Transportes da França, durante alguns dias em que deverá enfrentar obstáculos. Entre um problema e outro, ele encontra uma breve amizade em seu novo motorista. A imagem da abertura é uma metáfora das mutações políticas: uma bela mulher nua flerta com um crocodilo e é engolida pela fera.

o exercício do poder

No, de Pablo Larraín

A campanha pelo “não”, no Chile, mostra como o bom humor venceu a ditadura instalada por anos no país latino, com a chegada de Augusto Pinochet ao poder. O protagonista é um publicitário (Gael García Bernal), não um combatente político ou o líder de algum grupo de oposição. As propagandas levadas à tevê são um bom retrato da época.

no

Veja também:
Oito filmes recentes sobre a política feita por políticos

Grandes coadjuvantes do cinema clássico

Os atores abaixo foram secundários e marcantes. Alguns, inesquecíveis. E o fato de não terem ganhado um papel central para entrar na memória não fez com que caíssem no esquecimento. Eles são parte indissociável do efeito especial, da magia do cinema clássico. Viveram coadjuvantes de peso, às vezes para dizer besteiras que não podiam ser ditas pelo herói, ou para servirem de vítima ou vilão.

Charles Coburn

Perfeito como o velho bobo e endinheirado, que se deixa levar pelo encanto de belas mulheres – como se viu no divertido Os Homens Preferem as Loiras.

os homens preferem as loiras

Donald Crisp

Em Como Era Verde Meu Vale, que lhe valeu o Oscar, viveu o chefe da família Morgan. Ainda antes, esteve em O Grande Motim e O Nascimento de uma Nação.

o grande motim

Edward Everett Horton

Alguns de seus melhores momentos ocorreram ao lado de Fred Astaire, em musicais. Não sabia dançar, o que não impedia de fazer graça na pele do amigo efeminado.

o picolino

Louis Calhern

Servia bem ao vilão cínico e cafajeste, o que desempenhou em O Segredo das Joias. Teve destaque ainda em Interlúdio e, antes, no delicioso Diabo a Quatro.

o segredo das joias

Sydney Greenstreet

Os poucos filmes não o impediram de deixar sua marca: era misterioso, sob medida ao cinema noir, distante e inconfiável. Ainda assim, surpreendeu em O Intrépido General Custer.

o falcão maltês

Thomas Mitchell

Em 1939, considerado o melhor ano para o cinema, esteve em E o Vento Levou, A Mulher Faz o Homem, O Paraíso Infernal e No Tempo das Diligências. O último lhe rendeu o Oscar.

a mulher faz o homem

Walter Brennan

Amigo beberrão e falador de Bogart ou John Wayne, lembrado pelos filmes de Hawks. Ganhou o Oscar três vezes como coadjuvante, o que o torna um recordista.

onde começa o inferno

Ward Bond

Coadjuvante de ouro de John Ford, Bond esteve em várias produções do cineasta, como Rastros de Ódio e Paixão dos Fortes. Também foi dirigido por Capra e Huston, entre outros.

rastros de ódio

Os dez melhores indicados ao Oscar que não venceram o prêmio (anos 30)

Com os anos 30, o som chegou de vez. A indústria do cinema, apesar da Depressão, estava solidificada: as personagens não paravam de falar, multidões iam para o cinema se divertir e esquecer os problemas do lado de fora. Astaire, McCarey, Capra, Wyler, Ford e outros gênios casaram grande arte ao entretenimento. No Oscar, houve espaço para quase todos, com direito a musicais e até um filme francês.

Até o fim de fevereiro, com a edição 2015 do Oscar, o Palavras de Cinema publicará listas de grandes indicados que não venceram o prêmio, sempre divididas por década.

10) Cupido é Moleque Teimoso, de Leo McCarey

O mestre McCarey dirige Cary Grant em seu lado cômico impagável, nessa comédia sobre um casal que resolve se separar para descobrir a impossibilidade da distância.

cupido é moleque teimoso

9) As Aventuras de Robin Hood, de Michael Curtiz e William Keighley

O modelo da aventura completa: movimentada, com belos duelos e o casal central apaixonante, vivido por ninguém menos que Errol Flynn e Olivia de Havilland.

aventuras de robin hood

8) Ninotchka, de Ernst Lubitsch

O imortal “toque de Lubitsch” leva Garbo – a soviética inflexível – às gargalhadas, em um daqueles momentos que ficam na eternidade. Dá para entender.

Greta Garbo - Ninotchka

7) A Mulher Faz o Homem, de Frank Capra

Com este filme, Stewart tem talvez seu melhor momento. Ficou sem o Oscar, o que, parta muitos, justifica o prêmio no ano seguinte, como desculpas, por Núpcias de Escândalo.

a mulher faz o homem

6) O Picolino, de Mark Sandrich

Talvez o melhor filme da parceria Fred Astaire e Ginger Rogers, com direção precisa de Sandrich. Nesse caso, o mundo é todo feito de brincadeiras, de pura ingenuidade.

picolino

5) A Ceia dos Acusados, de W.S. Van Dyke

William Powell e Myrna Loy vivem o casal perfeito nesse filme sobre detetives, que termina em uma das mais poderosas sequências de jantar do cinema.

a ceia dos acusados

4) Rua 42, de Lloyd Bacon

O clássico dos bastidores do teatro tem incríveis coreografias do mestre Busby Berkeley, responsável também pelos números musicais do extraordinário As Cavadoras de Ouro.

rua 42

3) No Tempo das Diligências, de John Ford

Se um faroeste pode ser chamado de perfeito, talvez seja este. Leva a uma das mais perfeitas batalhas do gênero, com John Wayne como Ringo Kid.

no tempo das diligências

2) O Mágico de Oz, de Victor Fleming

O que falar sobre este grande clássico? Tem Judy Garland como a feliz inocente, a bruxa verde, a fada brilhante, além da inesquecível “Over the Rainbow”.

o mágico de oz

1) A Grande Ilusão, de Jean Renoir

O poder da mensagem da obra de Renoir, uma produção francesa, não pôde ser deixado de lado pela Academia – sobretudo quando o mundo era levado à Segunda Guerra Mundial.

a grande ilusão