Teorema, segundo Pablo Larraín

Teorema é um clássico, e Pasolini é um dos meus cineastas favoritos. Retrata uma família e o que acontece depois que eles recebem a visita de um personagem misterioso interpretado por Terence Stamp. Eu entendo completamente – se eu estivesse naquela casa e Terence Stamp aparecesse, eu mudaria minha vida imediatamente. Ele entra e sai, então tudo que você vê são vestígios. Spencer tenta fazer isso; é um filme que lida com a consequência da consequência. Você nunca realmente vê o problema. Aprendi com mestres de teatro em casa que quanto mais tarde você mostrar o conflito, melhor, porque assim você poderá ver a situação e os personagens, em vez de se concentrar no problema em si. Admiro como o filme fica com esses membros da família cujas vidas e comportamentos foram alterados de diferentes maneiras pela presença desse homem. É um filme sobre o destino. E direi que quando a empregada levita no final, me fez entender que fazer cinema é liberdade. Não há razão para isso acontecer. O resto do filme não é assim, mas então você vê esse momento e de repente você entende tudo.

Pablo Larraín, cineasta, no site da Criterion (13 de dezembro de 2021; leia aqui em inglês). Acima e abaixo, cenas de Teorema, de Pier Paolo Pasolini.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

Veja também:
A Longa Noite de Loucuras, por Antonio Moniz Vianna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s