Oito e Meio segundo Roger Corman

Talvez todos os diretores só façam filmes sobre si mesmos. Nesse caso, este filme é o ápice, o apogeu de todos os esforços narcisistas ou auto-reflexivos. É Freud tornado italiano: alienação em automóveis e uma escalada barulhenta em alguma atmosfera rarefeita. Então, é claro, o que sobe deve desabar. E então se retira outra camada para perguntar: o que um cineasta faz na crise criativa da meia-idade? Como reinventar a autenticidade? Acho que a maioria dos diretores se pergunta isso diariamente.

Roger Corman, cineasta, em depoimento ao site da Criterion (30 de julho de 2013; leia aqui). Acima e abaixo, Marcello Mastroianni em dois momentos de Oito e Meio, de Federico Fellini.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

Veja também:
Os dez melhores filmes de Federico Fellini

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s