Luis Buñuel segundo Michel Piccoli

É um cineasta fora de seu mundo porque nunca pôde entender a opressão do comércio cinematográfico. Ou então finge ignorá-la. Não sabe navegar simplesmente neste mundo. Não pretende lutar contra um certo cinema, é apenas um poeta que tem as exigências do homem do seu tempo.

Seu respeito, seu amor pelo humano. Não gosta de ver o mundo mundanamente mas é humilde diante de cada um. Também nunca se enternece, é sempre lúcido. Sua astúcia, seu humor, sua grande polidez espantam; ajudam-no a viver. É raro. Eu o vi dar meia-volta precipitadamente diante de uma pessoa cuja obra admirava mas que se “comportava desonestamente” na vida. Não queria apertar-lhe a mão nem fazer-lhe a afronta de recusar-lhe o cumprimento. Não pode suportar as pessoas que não o deixam à vontade. Encaramuja-se. Foge. É uma potência solitária. Não é um super-homem; cede diante do que lhe desagrada e ei-lo mau, diabólico, atingindo seu fim. Tem também horror do escândalo. Aliás, seus filmes não querem ser escandalosos; são humanos, profundamente, poderosamente, como ele. Sabem que ele respeita a fé alheia? Eu o vi não poder suportar uma brincadeira desrespeitosa com um mexicano, por exemplo. Foi perturbado pelo cristianismo e o será sempre. Isso faz parte de seu diálogo. Será o único? Vê os homens sofrerem com sua fé, sua fé que não os salva. Sua obra não é introspectiva, programa o que vê e o mostra. Com que franqueza e clareza! Tanto do ponto de vista do argumento como de sua técnica pura. É isso o que surpreende e choca. Sua obra é tocante e humilde, esquecem-na.

O privilégio que eu tenho não é de poder falar de Buñuel, mas de tê-lo descoberto e também de tê-lo ajudado em seu trabalho, pondo-me à disposição de seu coração, que ele o tem tanto quanto ideias.

Michel Piccoli, ator, em depoimento no livro Luis Buñuel, de Ado Kyrou (Editora Civilização Brasileira; pgs 177 e 178). O ator trabalhou com Buñuel em diferentes filmes, como A Morte Neste Jardim e A Bela da Tarde. Acima, à esquerda, nas filmagens de A Bela da Tarde com o cineasta e a atriz Catherine Deneuve; abaixo, rodeado por mulheres, em cena do mesmo filme.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

Veja também:
O retorno de Luis Buñuel à Espanha e a proibição de Viridiana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s