Homem Mau Dorme Bem, de Akira Kurosawa

Os jornalistas estão atentos a todo e qualquer movimento, às reações dos poderosos, em diferentes momentos de Homem Mau Dorme Bem. O foco é uma grande empresa, seus líderes e suas relações de corrupção com o poder público. Mesmo em ambiente tão belo, como na sequência do casamento, algo cheira mal. A imprensa fareja.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

De fora, pequenos, talvez menores que coadjuvantes, os jornalistas são importantes ao desenrolar inicial da narrativa: são eles que nos ajudam a entender quem é quem nesse jogo de várias peças, nessa festa que projeta beleza e tradição. Comentam cada momento, cada chegada e saída, como se conhecessem bem um filme ainda sem término.

Primeiro há o sistema diluído em pessoas, depois as pessoas que desabam e revelam fraqueza, da menor à maior. O cineasta Akira Kurosawa, em roteiro escrito a várias mãos, demora – mas nunca nos faz cansar – para atingir essa fragilidade oculta nos grandes prédios, nas corporações robustas sob a impressão de ordem e de que tudo vai bem.

Há mais que um filme de máfia, seu seio e suas traições – também suas tradições. Mesmo o pior dos homens, na visão do diretor, é alguém verdadeiro, parte de um tabuleiro, velhos ou jovens presos a seus ternos, aos dias de trabalho, desmitificados. Vai a homens corrompidos em seus escritórios; alguns ainda podem sentir dor, amar alguém.

O protagonista é o noivo, Nishi (Toshirô Mifune), que acabou de se casar com a filha do poderoso dono da empresa. A festa da abertura, para tudo se entender, celebra a união entre diferentes, do rapaz que veio de baixo com a moça coxa, filha do chefe, menina sem voz que consegue amar o homem ao lado – apesar de sua indiferença.

Os bons modos à mesa reproduzem o que os jornalistas – a plateia – deveriam ver: toda a beleza do Japão em seus velhos rituais. Alguns membros dessa elite fraquejam em seus discursos, revelam-se culpados quando percebem um estranho sinal colocado no bolo de casamento, réplica do prédio da empresa a serviço da fome dos convivas.

Nishi finge obediência. Finge suportar esse espaço de pais mandões, filhos boçais, ratos servis e uma esposa comportada para esperá-lo no fim da jornada – e assim fingir, de novo, que o casamento de ambos, tão recente, vai bem. Nishi é um fantasma sob figurino engomado, cabelo ao gel, aparência necessária ao mundo corporativo.

Sua participação nas revelações do passado da empresa é justificada. Ele quer vingança. Não é quem diz ser, ainda que seja obrigado a vestir uma máscara em vida e morte para confrontar uma máquina de assassinatos e suicídios induzidos. Até a festa de casamento não escapa ao clima macabro que domina o todo: o som das champanhes simula tiros.

Há ecos do melodrama americano no grande filme de Kurosawa. Difícil encarar o irmão problemático (Tatsuya Mihashi), chegado à bebida e alheio aos negócios da família, e não pensar no Robert Stack de Palavras ao Vento, impotente levado à emoção, playboy que pretende resolver tudo aos gritos. Dá para entender por que o pai não lhe dá bola.

Da borda ao centro, Nishi tem sua migração dramática: em determinado momento ele demonstra algum coração, ainda é capaz de amar sua mulher. Tem passado. É o filho bastardo que lutou na guerra, que voltou com pouco ou nada, que rastejou por buracos e escombros – os mesmos que, ao fim, contrapõem o belo e grande salão da abertura. Fechados, escuros, aos cacos, nos quais os filhos do dono da empresa descobrem os crimes do pai.

O diretor de Os Sete Samurais realiza um filme político e urbano. A ausência de saídas tornou a obra indigerível a certas plateias; sua realidade e secura fazem retornar a Rashomon e O Idiota, mas com uma diferença significativa: a maldade não se limita ao ponto de vista ou a determinada personagem; enraizou-se por completo no tecido social.

(Warui yatsu hodo yoku nemuru, Akira Kurosawa, 1960)

Nota: ★★★★☆

SOBRE O AUTOR:
Rafael Amaral é crítico de cinema e jornalista (conheça seu trabalho)

Veja também:
Vídeo: dez filmes essenciais de Akira Kurosawa

Um comentário sobre “Homem Mau Dorme Bem, de Akira Kurosawa

Deixe uma resposta para Daiane Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s