Víctor Erice: “Desde sua invenção, a projeção de um filme envolveu um ato de contemplação”

O cinema não tem mais o espaço na sociedade que ocupava no passado. Apenas a sala permanece de sua experiência original. Os filmes são feitos e consumidos de uma maneira muito diferente. Suas imagens são digitalizadas para serem veiculadas na televisão, computadores, tablets e telefones celulares. O que favorece um tipo de recepção cada vez mais próximo da noção de consumo. Não é de estranhar que se fale tanto de usuários quanto de telespectadores… Desde sua invenção, a projeção de um filme envolveu um ato de contemplação. Significava uma opção de vida diferente, o sonho comum na escuridão da sala pública. Não tinha nada a ver com a condenação da privacidade doméstica típica das telas pequenas. O novo regime modificou substancialmente o que foi chamado de “lugar do espectador”.

Víctor Erice, cineasta, em entrevista ao El Cultural (abril de 2019; leia aqui).

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

Veja também:
Godard: “Mônica é um filme do mais original dos cineastas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s