A Última Sessão de Cinema, segundo Sam Peckinpah

Eu acho o papel do crítico muito importante para os filmes. Por isso eu fico tão zangado quando os críticos não dão bola para bons filmes e se animam com porcarias. Como fizeram com o filme de [Peter] Bogdanovich, A Última Sessão de Cinema, que era uma chatice sem fim, e ignoraram algo como Corrida Sem Fim, que eu achei uma obra de arte em potencial. A Última Sessão de Cinema é coisa de artistinha, punheteirozinho, e é um pé no saco. Eu tinha um jantar com Ben Johnson, que está soberbo no filme, mas sabia que Peter estaria lá e eu teria que dar-lhe um soco na porra da boca, então não fui. Eu realmente odiei aquele filme.

Sam Peckinpah, cineasta, em entrevista à revista Playboy (agosto de 1972, pag. 74; leia aqui em inglês ou a reprodução original em pdf). Acima, cena de A Última Sessão de Cinema; abaixo, a primeira página da entrevista.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook, YouTube e Telegram

Veja também:
Disque M para Matar, segundo Scorsese

Um comentário sobre “A Última Sessão de Cinema, segundo Sam Peckinpah

  1. Excelente artigo! Parabéns!
    Seus trabalhos são muito interessantes, pois você proporciona o cinéfilo a ter uma visão mais crítica sobre a obra!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s