Lembranças de Quanto Mais Quente Melhor, por Pawel Pawlikowski

Quando eu era criança, ele [Quanto Mais Quente Melhor] era mostrado todos os anos, perto do Natal, na televisão estatal polonesa. Não tenho ideia do motivo – talvez as autoridades comunistas esperassem que Marilyn Monroe minasse o espírito solene do Natal cristão. Era um dos favoritos do meu pai e eu me lembro de assisti-lo quando era criança e não entender nenhuma das sutilezas, mas apenas ser dominado por aquele mundo, os personagens legais, as belas imagens e lugares, o Massacre do Dia de São Valentim, a perseguição de carro com a bebida saindo de caixões furados, a festa no trem, a música, as piadas. O encanto não se dissipou ao longo das décadas, e a ironia e generosidade de Billy Wilder, e sua sabedoria sobre a vida, vão me fazer lembrar para sempre do meu pai.

Pawel Pawlikowski, cineasta, em depoimento ao site da Criterion (31 de dezembro de 2018; leia aqui). Pawlikowski dirigiu, entre outros filmes, Guerra Fria e Ida. Acima, Marilyn Monroe em cena de Quanto Mais Quente Melhor; abaixo, Tony Curtis e Jack Lemmon em suas personagens.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook, YouTube e Telegram

Veja também:
Hollywood, segundo Billy Wilder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s