Bellocchio: “O mundo nos abraça, entra em nosso corpo, e nós o devolvemos com as imagens”

Acho que cada um, mesmo não sendo militante, deve participar dos problemas de seu país, e não simplesmente ir às urnas quando é preciso votar. Mesmo não me pondo o problema de fazer política, defender uma bandeira ou fazer um protesto, é natural para mim transformar em imagens e devolver ao público os problemas políticos e sociais.

 

Faço isso seguindo um percurso interno que procuro tornar o mais livre possível. Por muitos anos, nos impúnhamos como dever moral, gerando por vezes conflitos, o fato de ser forçosamente engajados e politicamente corretos no lugar de se permitir uma maior liberdade. O mundo nos abraça, entra em nosso corpo, e nós o devolvemos com as imagens que conseguimos fazer. Essa experiência de influência, de contaminação, de infecção do mundo ao redor faz parte da vida e não é possível escapar dela, sob o risco de se trancar num manicômio ou se fechar em seu próprio quarto sem nunca mais sair.

Marco Bellocchio, cineasta, em entrevista à revista Cult (nº 179, maio de 2013; pg. 8), na ocasião do lançamento de A Bela que Dorme no Brasil. Acima, Bellocchio nas filmagens de Em Nome do Pai; abaixo, Isabelle Huppert em cena de A Bela que Dorme.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook, YouTube e Telegram

bela que dorme

Veja também:
Milius, sobre Apocalypse Now: “Todo mundo que trabalhou nesse filme teve transtorno de estresse pós-traumático”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s