A família suicida de Michael Haneke

Basicamente, existem muitos filmes, e a maioria deles apenas recicla tudo o que já existe. Não vejo necessidade de ser outra pessoa que apenas recicla o que já está lá. O filme [O Sétimo Continente] tenta mostrar que somos vítimas das estruturas que construímos, do nosso ambiente. E todas essas coisas são metáforas para essas estruturas.

 

O que realmente me interessou não foi a existência de uma família que cometeu suicídio, porque, por mais triste que seja, existem muitas. O que eu achei fascinante foi que havia uma família que vai em frente e comete suicídio, mas, antes disso, destrói tudo o que possui. Eu pensei que era uma boa metáfora para a nossa situação.

Michael Haneke, cineasta, sobre seu primeiro filme feito para o cinema, O Sétimo Continente, de 1989. O filme mostra uma família que opta pelo suicídio e se isola em sua destruição. É a primeira parte da chamada Trilogia da Frieza, composta também por O Vídeo de Benny e 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso.

O trecho acima está na entrevista de Haneke à IndieWIRE (12 de abril de 2001; leia aqui em inglês). Acima e abaixo, cenas de O Sétimo Continente.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso canal no YouTube

Veja também:
Haneke explica Violência Gratuita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s