Os dez melhores filmes de Federico Fellini

Em décadas de trabalho atrás das câmeras, Federico Fellini fez nascer – em outros filmes, em quadros, em publicidade e, por que não?, na própria vida – o felliniano. Encontrá-lo é, através de outras coisas, das mais variadas, o próprio Fellini. Nesse sentido, o mestre está vivo.

10) Toby Dammit (episódio de Histórias Extraordinárias) (1968)

O terceiro e melhor episódio do filme, que fecha bem a obra após Roger Vadim e Louis Malle. O protagonista felliniano é o ator vivido por Terence Stamp, outro que se vê pressionado pelas estruturas; no carro que acaba de ganhar, em alta velocidade, enxerga as insinuações da morte.

9) Estrada da Vida (1954)

Gelsomina (Masina) e Zampano (Anthony Quinn) são diferentes em tudo. Ela é infantil, vive em seu próprio universo, poço de bondade; ele é bruto, tosco, vive aos berros a bordo de sua moto-palco pelas estradas da Itália. A mudança para ele demora a chegar. A tragédia avizinha-se.

8) Roma de Fellini (1972)

Entre imagens que soam realistas e outras em caminho oposto, Fellini volta a se debruçar sobre a “cidade mãe” que acolhe diferentes criaturas – de seu trânsito caótico ao desfile de moda religiosa, da incursão por um bordel ao encontro da poderosa Anna Magnani.

7) Os Boas-Vidas (1953)

A história de cinco vitelloni, rapazes imaturos, mulherengos, que vivem para curtir a vida, ainda sustentados por suas famílias. O rumo do grupo muda pouco a pouco: um deles engravida uma garota e é obrigado a casar; outro pensa em sair dali, tomar um trem e ir para a cidade grande.

6) Julieta dos Espíritos (1965)

Costuma ser chamado de “versão feminina de Oito e Meio”. Para sua musa, Masina, Fellini dá outra grande personagem, a mulher inicialmente retraída, enganada pelo marido (que tem uma amante) e levada a conhecer o espaço de liberdade da vizinha, outro universo possível.

5) Satyricon de Fellini (1969)

A composição de personagens grotescas vai aqui ao encontro de jovens livres, um pouco como a geração “paz e amor” da época. Fellini constrói o inferno e lhe dá o nome de Roma. Imagina o que a cidade pode ter sido em obra labiríntica na qual é impossível prever qualquer situação.

4) Noites de Cabíria (1957)

A prostituta de Giulietta Masina tem uma forma inegavelmente chapliniana. Começa e termina na derrota; encontra, nas duas pontas, algum motivo para continuar – até mesmo para sorrir, por uma estrada, sem caminho certo. Rendeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes.

3) Amarcord (1973)

Fellini demorou um pouco para assumir que a cidade do filme é sua cidade natal, Rimini. Desfilam por ali os tipos provincianos que ele conheceu bem. Ao centro, uma família, os conflitos entre pai e filho, também as várias personagens que assistem à evocação do fascismo.

2) A Doce Vida (1960)

Resumo de um tempo, na Itália, quando fotógrafos da imprensa marrom debatiam-se para arrancar a melhor (ou a pior) imagem das celebridades. É por esse meio que passa o protagonista de Marcello Mastroianni, jornalista cínico em busca de uma saída e em diferentes episódios.

1) Oito e Meio (1963)

O autor volta a si mesmo. Conta a história de um diretor de cinema pressionado por todos: pelas mulheres, pelos produtores, pelos jornalistas, pelos pais, pelas estruturas do filme que nunca termina e, talvez mais do que todos os itens enumerados, pela própria memória.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso canal no YouTube

Veja também:
Os dez melhores filmes de Martin Scorsese

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s