Dez filmes sobre diversidade sexual e de gênero

Bons exemplos de cinema, os filmes abaixo também podem – e devem – ser discutidos em outras esferas. Retratam, sob o olhar de cineastas distintos, a questão de gênero e a diversidade sexual a partir de histórias humanas, com barreiras a serem quebradas. Em todas vem à tona o preconceito.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso canal no YouTube

Num Ano de 13 Luas, de Rainer Werner Fassbinder

Elvira (Volker Spengler), antes Erwin, é a protagonista transexual desse filme poderoso do mestre Fassbinder. Cinema que provoca, às vezes choca, a partir de um labirinto de sofrimento que leva a pensar em outro filme, anterior, do mesmo cineasta: As Lágrimas Amargas de Petra von Kant. Em determinada altura, uma amiga de Elvira sugere que ela mudou de sexo para satisfazer o homem que amava.

Meninos Não Choram, de Kimberly Peirce

A jornada de Brandon Teena, em interpretação maravilhosa e premiada de Hilary Swank. Contra ela, os rapazes homofóbicos, violentos, de uma região em que quase todos não compreendem suas escolhas. Ao longo dessa história, ela apanha, é presa, é perseguida – e também ama a garota loura com quem protagoniza uma cena de sexo na qual todo o desejo transborda nos olhos da incrível Chloë Sevigny.

Transamérica, de Duncan Tucker

A Academia errou ao não dar o prêmio de melhor atriz para Felicity Huffman. A personagem é difícil, em muitos momentos contida, que grita em silêncio, em um road movie de descobertas no qual um rapaz encontra uma mãe ao invés de um pai. E essa viagem chega em época de grandes mudanças para a protagonista: ela está prestes a realizar a tão aguardada cirurgia de mudança de sexo.

XXY, de Lucía Puenzo

O delicado filme de Puenzo leva à história de um intersexual, uma hermafrodita, Alex (Inés Efron), que foi criada como menina pelos pais em região à beira-mar do Uruguai. Mais tarde, Alex decide parar de tomar hormônios e parece se identificar como homem, ou mesmo não apresenta definição. A obra aborda não apenas o drama da personagem, mas também o da família, sem saber lidar com a questão.

xxy

Tomboy, de Céline Sciamma

O cotidiano da menina Laure (Zoé Héran), que passa a se apresentar aos vizinhos como Michaël, é o centro do trabalho de Sciamma. A questão de gênero é aqui levada à infância e pré-adolescência, com brincadeiras e relações entre jovens em um bairro de classe média francês. A direção busca sempre o rosto do protagonista e consegue, sem grande esforço, levar o espectador ao centro de suas tensões.

tomboy

Laurence Anyways, de Xavier Dolan

Quando o professor Laurence (Melvil Poupaud) começa a se vestir com roupas de mulher, seus alunos e outros professores não entendem. Ficam chocados. Além da questão, o filme aborda sua relação, aqui central, com a namorada (Suzanne Clément), cujo amor pelo protagonista faz com que continue ao seu lado, com o passar dos anos. O diretor Dolan também abordou a diversidade sexual em outros filmes.

laurence anyways

A Garota Dinamarquesa, de Tom Hooper

Com os contornos típicos do “drama de Oscar”, o trabalho de Hooper segue os passos de Einar (Eddie Redmayne) e como se transformou em Lili Elbe. O que poderia ser apenas uma provocação nas festas dos anos 20, com roupas femininas e a companhia da mulher (Alicia Vikander), torna-se questão de vida para Lili. O próximo passo é se tornar a primeira pessoa a se submeter à cirurgia de mudança de sexo.

a garota dinamarquesa1

Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert

Começa com uma cena que explica tudo, ou quase: o protagonista (Naomi Nero) faz sexo com uma menina, no banheiro, usando roupas íntimas femininas. Esse grito de contestação à sociedade heteronormativa vem acompanhado de uma história sobre bebês furtados na maternidade. Por consequência, com a mudança de família, o menino encontrará a abertura para afirmar suas escolhas e sua identidade.

mãe só há uma

Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio

Tudo corria bem na vida de Marina Vidal até a morte de seu companheiro. A partir de então, precisa encarar a família do homem, que não a aceita e não a reconhece como sua parceira. São momentos regados a ódio e inconformismo. Um dos acertos desse ótimo filme chileno é a escolha da atriz e cantora Daniela Vega para o papel central, capaz de transmitir fragilidade sem perder a força. Destaque para a reveladora cena final.

Girl, de Lukas Dhont

Outra atuação central arrebatadora. O ator Victor Polster interpreta a bailarina trans Lara, que acaba de mudar para uma nova cidade com o pai e o irmão pequeno. A família aceita sua escolha. O confronto de Lara é com si mesma, à espera da cirurgia de mudança de sexo. A espera é dolorosa. Adolescente, em época de descobrir a sexualidade, ela quer ver o corpo transformado e não se reconhece ao olhar ao espelho.

Veja também:
Girl, de Lukas Dhont

3 comentários sobre “Dez filmes sobre diversidade sexual e de gênero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s