A narrativa grotesca de Lina Wertmüller

Adoro poesia grotesca e acho que meus filmes têm esse estilo, que combina humor e drama, ironia e cinismo, comédia e tragédia. Permite tocar com diferentes tons e ritmos narrativos. É mais do que um estilo – a narrativa grotesca reflete minha própria personalidade.

 

Como digo no documentário Behind the White Glasses [de Valerio Ruiz, 2015], acho que tenho duas almas. Uma é brincalhona, irônica, com senso de humor. A outra está em contato com a face dramática da vida e com os problemas humanos em todo o mundo. As duas naturezas vivem em mim e nunca me abandonam. Meus filmes podem refletir essa personalidade inconscientemente.

Lina Wertmüller, cineasta, em entrevista a Hillary Weston, no site da Criterion (12 de abril de 2017; leia aqui; a tradução é deste site). Acima, Pasqualino Sete Belezas, o filme mais famoso de Wertmüller; abaixo, em dois momentos, a cineasta durante as filmagens do mesmo filme.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso canal no YouTube

Veja também:
O corredor em que Scorsese entrou e não saiu mais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s