A Estrutura de Cristal, de Krzysztof Zanussi

Os apontamentos do visitante sobre o isolamento do anfitrião demoram a causar algum conflito. Quando causam, não chegam a afetar a amizade de ambos, que resiste. O visitante – pela neve, em lugar tão distante – vem a bordo de seu Fusca e permanece dias, semanas, talvez meses. Não se sabe o tempo exato desse reencontro.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso canal no YouTube

Os amigos divertem-se entre a neve, conversam sobre seus estudos, sobre física, sobre o infinito, mais tarde sobre Tchekhov, quando, por acaso, reproduzem uma imagem que faz pensar nas histórias do dramaturgo. A essa altura de A Estrutura de Cristal, o espectador acredita saber o suficiente sobre esses homens à frente da história.

O anfitrião, Janek (Jan Myslowicz), refugiou-se em um local isolado após se casar. Distante de tudo, passou a cuidar de uma estação meteorológica. Como se saberá mais tarde, a partir do amigo e visitante, ele sofreu um acidente que o manteve seis meses preso a uma cama, depois de tentar escalar uma montanha.

O visitante, Marek (Andrzej Zarnecki), viajou o mundo, caminhou por diferentes locais, países, foi aos Estados Unidos e assistiu a uma montagem de As Três Irmãs, justamente de Tchekhov, em Paris. Suas histórias dão o sentido de libertação que o filme, na forma, sempre nega, enquanto as personagens vivem dias de felicidade.

Na companhia de Janek está sua mulher, Anna (Barbara Wrzesinska), professora de escola primária. Em diferentes diálogos e passagens, o visitante tenta convencer o anfitrião a ir embora, a voltar a viver na cidade, sem que gere entusiasmo no outro. O amigo que veio de longe não entende o que prende o outro àquele local.

Em seu primeiro longa-metragem para o cinema, Krzysztof Zanussi extrai muito com muito pouco, oferece uma história na qual todo o conflito repousa em intenções, algum olhar cruzado, alguma expressão fechada, nas entrelinhas: esses homens e essa mulher, tão próximos, entendem-se sem que precisem falar alto, ou falar.

Boa parte da beleza do filme – sem que se exclua o visual, com a fotografia deslumbrante de Stefan Matyjaszkiewicz – está nos diálogos, ou na contenção do drama. Em um momento especial, eles discutem o infinito, o ponto em que não há tempo, em que nada acaba – e, ao leigo, não se sabe ao certo o que estão dizendo. Talvez não importe. O conceito de infinito, diz o anfitrião, passou a interessar somente à matemática.

Naquele local isolado o tempo parou: o dia em que Marek vai embora é idêntico ao dia em que chegou. Nada muda, embora, inegável, o tempo tenha corrido – dias, semanas, meses, não se sabe. Os amigos duelam em silêncio, sem dizer, à medida que deixam ver um estranho amor que nunca chega ao toque, à possível relação homossexual.

É de um amor diferente que fala Zanussi nesse grande filme, o amor entre opostos: o homem que decidiu ficar, que se prendeu ao tempo, e talvez tenha esquecido dele, contra o homem que veio de longe, viajado, que assistiu ao seu próprio tempo. Quando Janek diz que tem 36 anos (ele tem dúvidas sobre a idade), o outro não se conforma com o tempo que pode ter perdido, com a vida que talvez tenha deixado de viver.

Passam por um cemitério em uma de suas caminhadas. Por ali, Janek retira a neve do túmulo de um desconhecido. Não se vê nome algum na lápide, apenas uma frase: “eu era quem você é. Eu sou quem você vai ser. Lembre de mim para que alguém venha a lembrar de você”. Ajuda a entender o filme: o que vence o tempo e leva ao infinito é a relação entre pessoas, o que uma deixa a outra, as partes de um companheiro que se leva na bagagem.

(Struktura krysztalu, Krzysztof Zanussi, 1969)

Nota: ★★★★☆

Veja também:
Mostra apresenta a arte de Jerzy Skolimowski

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s