Ford imortal

Aos que admitem a morte de homens como John Ford, só a estes se deve dizer que homens assim não morrem e, portanto, Ford nem precisa ressuscitar. A sua personalidade estará sempre límpida na obra inigualável e luminosa – que permanecerá. Enquanto as fordianas imagens forem projetadas, não importa em que tela ou em que sala, ou, se o cinema acabar, enquanto houver memória, Ford será. Assim como Shakespeare está cada vez mais vivo, a despeito da agonia tão lenta do teatro, Ford está cada dia mais presente, ainda que o cinema já não tenha mais a mesma alma.

Antonio Moniz Vianna, crítico de cinema, no Correio da Manhã (“Ford, o primeiro”, 10 de setembro de 1973, dez dias depois da morte de John Ford; a crítica está reproduzida no livro Um Filme por Dia, com organização de Ruy Castro; pgs. 395 e 396). A crítica em questão foi a último de Moniz Vianna no Correio da Manhã e, segundo o que se sabe, a de sua vida. A morte do diretor não teria permitido que continuasse.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Vídeo: a homenagem de Steven Spielberg a John Ford

2 comentários

  1. Ford era especialista em faroestes,mas também sabia mudar de gênero com facilidade e agradar com excelentes obras.
    Até hoje ainda detém o recorde de diretor mais premiado num total de 4 vezes ganhou o Oscar.
    Começou como ator até se tornar um reconhecido e talentoso diretor.
    Sua parceria com o ator John Wayne solidificou a carreira de ambos.
    5 décadas de carreira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s