Pauline Kael, 100 anos

(…) ajudou a mudar a natureza e o status da crítica de cinema no mundo de língua inglesa. Transformou-a em uma atividade emocionante, vital e essencial, um diálogo com nossa época e cultura.

(…)

Semana após semana [na revista The New Yorker], aplicava todo o coração, cérebro e experiência ao que via. E graças a uma memória extraordinária (aparentemente nunca toma notas, e é raro que veja um filme duas vezes), suas críticas parecem reprises instantâneas, nas quais ela argumenta, medita, analisa, se entusiasma e agoniza com o que viu. (…) Ela escreve com paixão, às vezes fúria, mas também com alegria, e da perspectiva do americano arrogante, provinciano. Realista quanto aos defeitos nacionais, ressente-se corretamente dos que desfazem de maneira injusta da herança nacional.

Philip French, crítico de cinema, na introdução de Criando Kane e Outros Ensaios, de Pauline Kael (Editora Record; pgs. 13 e 14).

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Rubens Ewald Filho (1945-2019)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s