O Cristo de Pasolini, segundo Glauber Rocha

A primeira novidade desta vida de Cristo era o contexto: a Judeia era um país miserável, colônia romana. Nada do luxo visto nos filmes de Cecil B. DeMille. Cristo era homem do povo, vestido pobremente. Os governantes hebreus a serviço do imperialismo romano. Cristo surgia subversivo, capaz de atirar o povo contra os vendilhões da pátria.

Há uma trama que mistura moralismo com medo político – Cristo é traído por um dos seus, crucificado e na hora da morte grita desesperado:

– Pai, por que me desamparastes?

O Cristo de Pasolini é forte, viril, sem complacência para com opressores e canalhas. Cristo é violentíssimo. Na pregação usa tom incisivo de agitador social.

Glauber Rocha, cineasta, em O Século do Cinema (Cosac Naify; pg. 278). Abaixo, o diretor Pier Paolo Pasolini nas filmagens de O Evangelho Segundo São Mateus e uma imagem do mesmo filme.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Bastidores: O Evangelho Segundo São Mateus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s