A América e a pena de morte, segundo Lars von Trier

Para mim, a América é um mito. Não rodar [Dançando no Escuro] no local real no qual se passa a ação pode, às vezes, trazer algo mais. Por exemplo, adoro Amerika, de Kafka. Ele nunca foi lá, Kafka… Mas a América está inteira no seu livro.

(…)

Dançando no Escuro é minha visão de um filme americano. Afinal, minha visão da América advém das coisas que vi no cinema. É uma nação fraca, que tem de matar seus membros para preservar seu conceito moral. Eu sou radicalmente contra a pena de morte, que não consigo conceber como um castigo. Minha percepção do sistema judicial americano, mesmo sem ser perito e sem conhecê-lo profundamente, é que ele é injusto, num país dito cristão.

Lars von Trier, cineasta, no documentário Os 100 Olhos de Lars von Trier, de Katia Forbert, que aborda as filmagens de Dançando no Escuro. O filme, de 2000, situa-se nos Estados Unidos de 1964, mas foi rodado na Suécia. O livro de Kafka citado pelo diretor também é conhecido no Brasil como O Desaparecido. Abaixo, o encerramento de Dançando no Escuro, com a frase: “Dizem que é a última canção. Mas eles não nos conhecem. Só será a última canção se deixarmos que seja”.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
A Professora de Piano, segundo Isabelle Huppert

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s