Agnès Varda (1928–2019)

Quando fiz meu primeiro filme, La Pointe-Courte, em 1954, naquela época nós éramos uns dois ou três na França. Mas o que eu fiz foi elevar o nível. Tentei fazer o melhor filme possível… Decidi que o cinema deveria ser diferente, o cinema deveria se relacionar com a época. Deveria se relacionar com a literatura, com as artes plásticas, formas artísticas que estavam mudando muito. Então, na época, eu lembro que me impressionei com os livros de Faulkner, pinturas, sabe, Picasso. Eu não achava que o cinema deveria ser apenas a ilustração de um livro ou a representação visual de uma história, uma peça de teatro. Então eu comecei muito diferente e permaneci diferente (…) O cinema deveria ser contemporâneo. Mas então muitas pessoas entraram no que foi chamado de nouvelle vague.

Agnès Varda, cineasta, em declaração em junho de 2017 (a entrevista faz parte do material extra do digipak Agnès Varda, lançado pela distribuidora Obras-Primas do Cinema). Abaixo, Varda, operando a câmera, filma seu primeiro filme, La Pointe-Courte.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Bastidores: Os Renegados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s