Bastidores: O Conformista

O cinema está muito mais próximo da literatura e da poesia do que do teatro. Concordo com você que muitas vezes o cinema é apenas a ilustração de uma história. Esse é o maior perigo que você enfrenta ao fazer um filme a partir de um romance. Esse foi o meu problema quando fiz O Conformista, que é baseado na história de Moravia. De qualquer forma, é um problema do dia a dia no cinema, porque muitos cineastas usam seus roteiros como se tivessem partido de um romance; eles simplesmente fazem um filme ilustrado a partir do roteiro. Por outro lado, eu também começo com um script muito preciso – mas apenas para destruí-lo. Para mim, a inspiração existe apenas no momento da filmagem real. Não antes. Para mim, o cinema é uma arte de gestos. Quando me encontro em um set, com atores e luzes, a “solução” que encontro para uma determinada sequência, uma determinada situação, não vem de uma ideia pré-concebida, mas da relação musical que existe entre os atores, as luzes, a câmera, o espaço ao redor deles – e eu movo a câmera como se estivesse gesticulando com ela. Sinto que o cinema é sempre um cinema de gestos – muito direto, mesmo se tiver cinquenta pessoas no elenco.

(…)

Eu realizei A Estratégia da Aranha imediatamente antes de O Conformista, mas, embora houvesse apenas alguns meses entre eles, minha situação psicológica era diferente. E é por isso que esses dois filmes são tão diferentes. Fiz A Estratégia da Aranha em um estado de felicidade melancólica e grande serenidade e O Conformista em um estado trágico de grande agitação psicológica.

(…)

O que me deu uma aparência meio diabólica é que eu sei que O Conformista é meu filme mais difícil e isso me diverte muito. Parece ser o meu filme mais fácil, mas na verdade é o mais difícil porque é o mais simples. Entra-se em um primeiro nível de “leitura” que faltava em Antes da Revolução: aquele filme tinha muitos outros níveis, mas não existia um primeiro nível de leitura assim que você o viu. Em O Conformista, existe esse primeiro nível, então todos entram nele e não colocam mais problemas para si mesmos. Em vez disso, o filme está cheio de outros níveis. Esse é o truque dos grandes diretores de Hollywood: na Europa, nós precisamos de trinta anos para que alguns jovens críticos franceses nos fizessem perceber que o cinema americano era algo mais do que se pensava até aquele momento.

Bernardo Bertolucci, cineasta, em entrevista a Amos Vogel na Film Comment (1971; leia aqui a entrevista na íntegra e em inglês). Acima, Bertolucci nas filmagens; abaixo, a atriz Stefania Sandrelli é vista atrás do cineasta.

ACOMPANHE NOSSOS CANAIS: Facebook e Telegram

Veja também:
No Portal da Eternidade, de Julian Schnabel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s