Bastidores: Nashville

Ao final de Nashville, quando toda a tensão acumulada explode em tiros e sangue, a câmera, num movimento vertical, vai descobrir pela primeira vez o céu (um buraco branco e vazio), onde nada parece existir, nem mesmo a palavra “fim” (the end). Nashville é um filme a prosseguir, um esboço (rápido) de um momento da civilização americana, na passagem de seus duzentos anos. Um documento para a posteridade.

Tuio Becker, crítico de cinema, na Folha da Manhã (novembro de 1976). A crítica está reproduzida no livro Sublime Obsessão (Unidade Editorial; pg. 253). Abaixo, o diretor Robert Altman, na câmera, durante as filmagens de Nashville, lançado em 1975.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Bastidores: Três Mulheres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s