Paterson, de Jim Jarmusch

A alegria de Paterson é contida sob o rosto arredondado de Adam Driver, sob uma interpretação que valoriza o mínimo. Ele acena ao espectador com felicidade ao ouvir as histórias dos outros, os passageiros que tomam seu ônibus durante cinco dias da semana, que cruzam seu caminho e falam de assuntos variados.

No decorrer de Paterson, de Jim Jarmusch, as histórias dos outros, sempre diferentes, oferecem uma saída contra as repetições do dia a dia. E nem mesmo o cineasta mudará alguns diálogos ou enquadramentos; tudo se move como se fosse igual, do momento em que o protagonista levanta da cama às suas idas ao bar, à noite.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

A emoção causada por essas pequenas histórias indicam a escolha de Paterson pela poesia: ele escreve-as porque enxerga beleza no mínimo – por exemplo, no diálogo entre dois amigos, quando um deles confessa ter conhecido uma mulher interessante e conquistado o número de seu telefone, ou no de dois estudantes que falam sobre um imigrante italiano anarquista que morou naquela mesma cidade, justamente Paterson.

Escreve-as em mente, ainda na caminhada ao trabalho. E logo coloca as palavras em seu caderno, pouco antes de ser interrompido pelo fiscal da garagem de ônibus, cheio de problemas. Paterson pergunta para ele, mais de uma vez, se está tudo bem. E o mesmo acaba enumerando seus obstáculos, para a surpresa do protagonista.

Jarmusch leva à aparência de que nada ocorre enquanto ocorre tudo. Seu roteiro não deixa ver com clareza algum ponto de virada na primeira parte, o que poderia levar o filme a outro caminho. Não há, pelo menos não na forma esperada. Pode ser um exercício de paciência àqueles ligados ao cinema de confrontos e reviravoltas.

Seu poeta urbano escreve para escapar da repetição. Jarmusch, quase em um clima cômico, oferece sempre o igual. E esse efeito não chega a ser avassalador. O cineasta trabalha com a realidade, com as expressões esperadas, com um protagonista que pode, a distância, não oferecer qualquer atrativo além do bom companheiro para uma cerveja no bar, ou para uma conversa sobre um assunto qualquer em um banco de praça.

Ora ou outra, com a mulher ou com uma pessoa qualquer, a conversa chega à poesia. No fim, quando Paterson não tem coragem de dizer que é um poeta – ou quando não acha prudente fazê-lo por não ter mais as poesias no caderno, sendo então incapaz de lê-las –, ele o faz por se julgar alguém comum demais, preso a uma vida pequena.

É o sentimento de um homem sem poesia: nada pode ser pior a alguém que precisa dela. E Paterson, contra a repetição, tem apenas as palavras. Não se trata de desmerecer a vida com a mulher, as conversas de bar, as idas ao cinema. Mas tudo o que compõe esse cotidiano não faz sentido – ou não tem o mesmo peso – sem a poesia.

Escreve-as contra as formas repetitivas expostas pela mulher (vivida pela iraniana Golshifteh Farahani), com seu preto e branco constante, ou contra as pessoas que se repetem todos os dias em seu caminho, seja ao trabalho, seja ao bar como refúgio noturno para a cerveja. E, não à toa, Jarmusch insere gêmeos em diferentes momentos de sua obra, indicativo de que tudo se duplica aos olhos do herói silencioso.

Repetitiva é também sua profissão. E em uma das melhores sequências o ônibus quebra. O espectador descobre em Paterson um sinal de desespero, com um problema real para resolver – algo raro. Ele, que não usa celular, tem de recorrer ao aparelho de um dos passageiros. Por alguns instantes, vê-se a personagem como o centro das atenções, não mais como o motorista solitário ou o poeta desconhecido.

Mais de uma vez ele recorre ao seu refúgio, às cachoeiras de sua cidade. Senta no banco do parque e observa. Encontra palavras, poesia. Seu rosto é apenas aparentemente vazio. Driver, um ator grandioso, sabe como gestar esse poeta oculto. Comunica o máximo com pequenos sinais. Um rosto de esperança e felicidade.

(Idem, Jim Jarmusch, 2016)

Nota: ★★★★☆

Veja também:
Os dez melhores filmes com Isabelle Huppert

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s