Um Só Pecado, de François Truffaut

Escritor e intelectual, homem influente, Pierre Lachenay (Jean Desailly) é prisioneiro da própria máscara, a do homem correto, polido, bom pai de família. Sua vida muda em uma viagem para Lisboa, quando conhece uma bela aeromoça, Nicole.

Durante Um Só Pecado, o diretor François Truffaut investe nessa vida à base de interpretações: cada pequeno detalhe faz sentido, da mecanização do mundo ao seu oposto, aos gestos inesperados – alguns deles levados apenas ao espectador.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

um só pecado

Estranho mundo romântico recoberto pelo suspense: a cada nova entrada ou saída de Pierre, a cada nova escapada e mentira (mas recobertas de sentimentos), o espectador parece ser levado ao suspense, pois talvez sobre culpa nesse grande filme.

É no centro que está a influência de Hitchcock, no plano-detalhe das mãos que se tocam, ainda nos créditos, no detalhe das mesmas mãos que apagam e acendem as luzes, no olhar de Pierre, ao fim, à menina que fala no interior da cabine telefônica – quando o tempo da beleza é também o tempo do suspense, quando o banal faz toda a diferença.

Em linhas gerais, Pierre é vítima de seu próprio disfarce. Provável que ele mesmo não reconheça isso. Sua vida tem um choque quando redescobre o amor – e, em carta, confessa-o para depois jogá-la fora, porque talvez não possa ir além das intenções.

E quando consome, quando assume seu amor pela amante, é ela quem deixa espaço para isso: ele, no fundo, é um impotente, alguém sem condições de deixar a velha vida e assumir a nova, ou apenas alguém impossibilitado de se dobrar ao puro desejo.

Precisa da força de sua mulher – a verdadeira força do filme, interpretada por Nelly Benedetti – para deixar sua casa. Para ele, a saída talvez seja demais, e quando pode, a certa altura, ainda retorna para tirar vantagem: volta a fazer sexo com a esposa, tragado pela atração da antiga vida, ou pela dificuldade de renunciar a ela.

A fraqueza persegue-o: faz com que corra, durante um encontro, para servir ao papel do grande escritor, apresentador, a falar da obra de André Gide antes da apresentação de um filme, e depois retorne para o pequeno hotel onde está a amante.

um-so-pecado

Se sua vida é dupla, a vida da mulher, Franca (Benedetti), é uma só – ainda que pareça viver mais de um papel. Nesse ponto, Truffaut deixa ver a essência da obra: aquele que parece natural é quem interpreta, e quem parece viver mais de um papel – o da mulher amável e depois o da explosiva e assassina – é quem renuncia à interpretação.

O escritor está às sombras: precisa apagar as luzes para consumar o pecado. Na sequência do cinema, vai para trás da tela e, insignificante, é visto à sombra de Gide, sobre quem falava e que se agiganta na tela voltada para os espectadores.

Nesse filme de amor recoberto por suspense, ainda resta a beleza da amante (Françoise Dorléac), de quem pouco se sabe. Quando o pai dela surge para uma visita, o protagonista ainda aguarda, na escada, para ouvir a filha cumprimentar o velho homem. Precisa ter certeza da normalidade que não encontra na moça.

Dessa necessidade de apresentar o menor, o detalhe, e que faz pensar novamente no momento em que o homem observa a moça na cabine telefônica, vem a grandeza da obra de Truffaut, muito além da história de traição.

É, no fundo, sobre a necessidade de interpretar, recheado de pequenas coisas banais e importantes ao suspense, com uma bela, jovem e talvez enganadora amante, a quem o amor talvez seja algo ainda inalcançável.

(La peau douce, François Truffaut, 1964)

Nota: ★★★★☆

Veja também:
15 grandes rostos da nouvelle vague francesa

Um comentário sobre “Um Só Pecado, de François Truffaut

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s