Anthony Quinn, 100 anos

Com jeito exótico e distante dos traços tipicamente americanos, Anthony Quinn começou com personagens exóticas. Pequenos papéis, aos poucos revelando sua grandeza. O jeito rochoso já estava lá: era imponente, impossível não ser notado.

Fez filmes desde a década de 30. Demorou a ganhar relevância. Os dois Oscars – por Viva Zapata! e Sede de Viver – vieram por coadjuvantes, ao lado de outros dois gigantes: Marlon Brando e Kirk Douglas. Ainda assim, conseguia se impor.

É lembrado, claro, por papéis em outros filmes, como A Estrada da Vida, de Fellini, e Os Canhões de Navarone, cuja personagem nasceu para ele – em claro contraste à figura de David Niven, o “cérebro” da turma. Quinn era pura massa. Entre tantas personagens, a mais famosa é certamente Alexis Zorba, apaixonada pela vida.

Nos anos 40, antes do grande sucesso, fez um papel pequeno, “maldito”, em O Intrépido General Custer (abaixo), ao lado do “tipicamente americano” Errol Flynn. Servia ao contraste, de novo. Quinn é o índio Cavalo Louco, responsável por matar o herói americano, quando os nativos venceram os brancos na batalha de Little Big Horn.

o intrépido general custer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s