Marilyn, por Norman Mailer

Era uma mulher estúpida e sexy, dirá certamente uma voz com indignada amargura, uma beldade com certa habilidade, uma infância infeliz e muita (e muita pouca) sorte, que conseguiu chegar longe com seu módico talento. Pode-se ir a qualquer cidade sulista e encontrar doze como ela. É uma voz familiar. Confortável. Mas, olhando para o fenômeno de seu grande apelo mundial – sua captura da atenção mundial foi napoleônica –, ao menos reconheçamos que a voz que a diminui fala com tanta autoridade quanto a voz romântica, ou seja, também é uma tese não comprovada e não faz mais que desdenhar da primeira, sem conseguir explicá-la completamente. Há milhões de mulheres estúpidas, confusas e com sorte, e nenhuma chega perto de Monroe.

Norman Mailer, escritor, em seu livro Marilyn (Editora Record). Abaixo, a atriz Marilyn Monroe.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

nunca fui santa

Veja também:
O Proscrito, de Howard Hughes e Howard Hawks

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s